Comércio online. Em 2017 houve quatro queixas por dia

0
58

Em 2017, a DECO recebeu uma média de quatro queixas por dia sobre comércio online, sendo que o portal com mais reclamações tem quase o dobro daquelas que tem o segundo classificado da lista.

1.642 foi o número de queixas feitas à DECO relativamente a compras feitas pela internet, o que dá uma média de quatro queixas por dia. Já no Portal da Queixa, o número de reclamações sobe para 8.538.

A DECO já veio explicar que estas queixas estão relacionadas com questões como “a não entrega dos bens encomendados e pagos”, as “entregas muito atrasadas dos bens encomendados e pagos”, a falta de informações sobre artigos fora de ‘stock’ e ainda as “dificuldades em acionar em garantia do produto”. Ainda de acordo com esta entidade, a grande maioria dos cibernautas estava a tentar comprar “telemóveis, computadores e acessórios eletrónicos, vestuário e acessórios de moda”. O número de queixas tem, segundo a DECO, “aumentado”.

Já no Portal da Queixa houve um incremento nas reclamações de “136 por cento desde 2016”, de acordo com esta rede social. Estas reclamações dizem respeito essencialmente aos setores da tecnologia, televisão e eletrodomésticos (45 por cento), viagens, turismo e lazer (20 por cento), moda, vestuário e bijuteria (7 por cento), classificados (5 por cento), supermercados ‘online’ (5 por cento), produtos para animais (4 por cento), livros (2 por cento) e apostas ‘online’ (2 por cento).

Quanto às empresas visadas, o Portal da Queixa “destaca claramente” a eDreams, que tem quase o dobro das queixas (763) relativamente ao segundo classificado, a Pixmania (488). A Audilar (443), a Amazonite/Niwite (418), a Worten online (341), o OLX (281) e a Fnac (199), são outras das marcas mais vezes mencionadas.

Como medidas para prevenir eventuais dissabores, a DECO recomenda que:
– Verifiques se a página onde vais fazer a tua compra é fidedigna;
– Compres em sites conhecidos;
– Guardes comprovativos da encomenda e fatura, para acionar a garantia;
– Utilizes formas de pagamento mais seguras, como à cobrança, transferência bancária ou Multibanco;
– Analises o preço, e desconfies se ele estiver muito abaixo do habitual.

[Fonte: DECO e Agência Lusa]

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here