MEO Marés Vivas: Música para todos

0
71

No final do evento de 2016, o MEO Marés Vivas deixava a fasquia bem alta, depois dos concertos de nomes como Elton John, Kodaline, D.A.M.A ou Lost Frequencies. A verdade é que em 2017 o MEO Marés Vivas está de volta com um cartaz à altura: Scorpions, Sting, Bastille, Lukas Graham e Seu Jorge, entre muitos outros, vão dar música à Praia do Cabedelo, em Vila Nova de Gaia, a partir de hoje e até ao próximo domingo.

O festival de Vila Nova de Gaia está estrategicamente localizado junto ao Rio Douro, com a cidade do Porto à vista na outra margem. Este é um dos festivais de maior destaque no norte do país, tendo esgotado este ano os bilhetes em praticamente todos os dias.

Este é o cartaz:
14 de julho (sexta-feira)
Palco MEO
Bastille
Agir
Tom Chaplin
Diogo Piçarra

Palco Santa Casa
Os Quatro e Meia
Souls of Fire

15 de julho (sábado)
Palco MEO
Scorpions
Amor Electro
Expensive Soul
Lukas Graham

Palco Santa Casa
João Pequeno
Kappa Jotta
Mundo Segundo

16 de julho (domingo)
Palco MEO
Sting
Seu Jorge
Miguel Araújo
Joe Sumner

Palco Santa Casa
Átoa
Caelum

Achas que conheces os artistas?

Scorpions
Foi em plenos anos 60 do século XX que os Scorpions se formaram como banda. São alemães, a banda rock da Europa Continental mais bem sucedida de sempre – com mais de 100 milhões de álbuns vendidos – e uma das mais aclamadas em todo o mundo.
Ao crescer numa Alemanha pós-guerra, os jovens da cidade de Hannover foram influenciados pelo rock’n’roll de Elvis Presley, e definiram a sua música com base nas bandas de hard rock The Yardbird, Pretty Things e Spooky Tooth. Rudolf Schenker fundou a banda em 1965, mas só em 1970 é que Klaus Meine e Michael Schenker (irmão mais novo de Rudolf) se juntaram aos Scorpions. O primeiro álbum, Lonesome Crow, foi gravado em 1972 e em inglês, e desde então a banda já editou 19 discos, o último dos quais em 2015, para celebrar os 50 anos da banda, com o nome Return To Forever.
Sabias que só a música Rock You Like A Hurricane já teve covers feitos por mais de 150 músicos?

Sting
Se te falássemos de Gordon Sumner, provavelmente não saberias que estávamos a falar deste músico de 65 anos, nascido em Wallsend, no norte de Inglaterra. E foi enquanto tocava com a banda The Phoenix Jazzmen que um dos seus companheiros da altura, vendo-o com uma camisola de riscas pretas e amarelas, resolveu rebatizá-lo de Sting.
Na altura professor, Sting foi convencido por Stewart Copeland a dedicar-se à música a tempo inteiro, criando com ele uma banda com o nome The Police. Conseguiram um contrato, a banda gravou um disco mas não foi bem recebida pela imprensa britânica. Por esse motivo, rumaram aos Estados Unidos, e de concerto em concerto foram começando a juntar um grupo de fãs com os seus ritmos reggae e new wave.
Foi nos anos 80 que Sting arrancou a solo, com grandes êxitos como Englishman In New York e If I Ever Lose My Faith In You. Ao todo, em grupo e a solo, foi premiado com 17 Grammys, 8 Brit Awards, 1 Globo de Ouro, 1 Emmy, 1 MTV VMA, três nomeações para os Óscares e uma para os Tony.
Para além da música, Sting dedica-se ao ativismo, tendo criado com a mulher o Rainforest Fund, para ajudar a proteger as florestas tropicais.

Bastille
A banda britânica de indie rock e rock alternativo foi formada em 2010, mas foi em 2013 que alcançou o sucesso que a projetou mundialmente, com o single Pompeii – o quarto do álbum de estreia Bad Blood – que foi vendido mais de 10 milhões de vezes.
A banda é composta por Dan Smith, Kyle Simmons, Will Farquason e Chris “Woody” Wood, e o nome do conjunto foi escolhido por Smith e marca o dia do seu aniversário. E em que dia é que Bastille vai atuar no MEO Marés Vivas? No Dia da Bastilha Francesa (e do aniversário de Dan Smith): 14 de julho!

Seu Jorge
Jorge Silva nasceu em 1970 no Rio de Janeiro, começou a trabalhar aos 10 anos de idade e aos 19 saiu de casa. Foi um sem abrigo durante alguns anos e foi nessa altura que teve o seu primeiro contacto com o teatro. O clarinetista Paulo Mora descobriu-o, conseguiu que fizesse uma audição para um musical, e isso mudou-lhe a vida.
Apesar de cantar em português, é um artista mais internacional do que poderias pensar. Tem o samba nas veias e já foi atuar, a pedido da BBC, ao lado dos Black Eyed Peas e dos Foo Fighters, gravou um documentário para esta estação de televisão em 2006, recebeu a CNN em sua casa para a gravação de um programa, realizou tournés no mundo inteiro e tocou nos mais diversos festivais.

Miguel Araújo
Basta dizeres o nome de algumas músicas do Miguel Araújo para elas entrarem e não saírem mais da tua cabeça. Enquanto vocalista d’Os Azeitonas lembramo-nos, por exemplo, de Anda Comigo Ver Os Aviões, Quem És Tu Miúda e Ray-Dee-Oh. Já estás a cantar alguma? Do seu primeiro álbum a solo, Cinco Dias e Meio, há Capitão Fantástico, Fizz Limão e o single de estreia Os Maridos Das Outras, nomeado para “Melhor Canção do Ano” nos prémios da Sociedade Portuguesa de Autores, num álbum que foi considerado pela revista Blitz um dos 10 melhores do ano.
Já o segundo disco, Crónicas da Cidade Grande, saltou de imediato para o nº 1 no iTunes e para o top 3 de vendas. Agora há Giesta, lançado este ano e que vai ser apresentado no MEO Marés Vivas!

Como chegar
É muito fácil chegares ao MEO Marés Vivas. De carro, pela A1, sai em “Gaia Afurada”, e perto do recinto encontrarás um parque de estacionamento reservado para o festival. Se vieres de autocarro, sai na paragem “Afurada”; De comboio, no Porto ou Gaia, dependendo de onde vens; De metro, avança até à estação General Torres – nestes dois últimos casos, é necessário efetuar a ligação através de autocarro. No Porto, para quem chega de comboio, apenas a estação de S. Bento tem ligação direta.
A CP tem descontos para comboios oriundos de todo o país, e nos comboios urbanos do Porto, o bilhete especial MEO Marés Vivas – que obriga à apresentação do bilhete do festival – tem o preço de 2 euros, ida e volta, com regresso válido até às 12 horas do dia seguinte.
De resto, a Kia é novamente a marca oficial do festival, e como tal vai dar boleias de ida e volta, das 18 horas às duas da manhã, nas paragens:
Afurada – Posto de Pescado;
Cais de Gaia – Rotunda Caves Ferreira;
Avenida dos Escultores – Em frente à Casa Portista;
Quinta do Marques Gomes (junto ao Portão)

Onde ficar
Apesar de não ter parque de campismo próprio, o MEO Marés Vivas disponibiliza no seu site oficial – maresvivas.meo.pt – toda a informação para poderes passar a noite em segurança e com conforto, com várias sugestões de Hostels, Hotéis, Pensões, Residenciais e Parques de Campismo.

Para entrar
Em cada um dos dias do MEO Marés Vivas, as portas abrem às 17 horas e a animação prolonga-se pela noite dentro.
Não é permitida a entrada a crianças com menos de 6 anos de idade. Também não pode entrar comida, bebida ou qualquer objeto considerado perigoso. Não é igualmente permitida qualquer gravação áudio ou vídeo do festival.

No primeiro dia, para trocares o teu passe de 3 dias por uma pulseira deves deslocar-te a um dos vários pontos disponíveis no recinto. O bilhete é intransmissível, tal como a pulseira. Mesmo depois de a receberes deves manter o bilhete contigo, para que possas comprovar a compra do mesmo, se for necessário.
Todos os bilhetes são válidos para apenas uma entrada no recinto, e com o bilhete diário não é possível sair do recinto para depois voltar a entrar. Com o bilhete para os 3 dias, as entradas seguintes terão de ser feitas com a pulseira.

Para teres acesso a bilhetes, destaques, horários, mapas e outras funcionalidades, acede também à aplicação MEO Marés Vivas, disponível na Google Play e na App Store.

Partilhar

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here

*