As piores passwords de 2014

0
528

És daquel@s que é muito preguiçoso na altura de escolher uma palavra-passe? Usas sempre a mesma para tudo, e não és lá muito criativo? Olha que há sempre alguém pior, e em honra dessas pessoas foi criada a lista das piores “passwords” de 2014.

É para o cartão multibanco, para o telemóvel, para a caixa de email, para as redes sociais… Hoje em dia, a palavra-passe é necessária para tudo e mais alguma coisa, e torna-se difícil ter senhas realmente seguras e, de preferência, diferentes entre si. Afinal, quem é que se vai lembrar disso tudo?

Apesar disso, existem cada vez mais programas e ferramentas que te ajudam a guardar todas as palavras-passe que precisas. Não é certamente caso para tanta falta de imaginação como a das pessoas que contribuíram para a lista das piores passwords de 2014, uma informação compilada pelos especialistas da SplashData com base em 3,3 milhões de palavras-passe roubadas no ano passado.

E, pelo segundo ano consecutivo, a pior password é “123456”, seguida pela palavra “password” (a pior em 2012). Sim, é tolo, mas há mais! No top 10 encontras ainda “12345”, “12345678”, “1234567890” e “1234”, com a expressão “qwerty” pelo meio. Na lista há ainda palavras comuns como “baseball”, “dragon”, “football” e “monkey”.

Porque é que não deves usar nenhuma destas senhas? Pela razão óbvia, como explica o Presidente-executivo da SplashData :“As passwords baseadas em simples padrões do teclado continuam a ser populares, mas muito frágeis. Qualquer palavra-chave com apenas números deve ser evitada, especialmente as sequências. À medida que cada vez mais sites requerem passwords mais fortes ou combinações, os padrões de teclado também se tornam mais comuns, embora não sejam seguros”.

Há alguns conselhos para criares uma password segura, nomeadamente usares oito ou mais caracteres, juntando letras, números e símbolos, e não utilizares a mesma combinação de nome de utilizador e password em vários sites.

[Fonte: SplashData]

[Foto: Mikel Martinez de Osaba @ Flickr]

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here