Um dos grandes títulos de ação do ano

0
486

Prometendo ser a maior produção de sempre da Capcom, o novo capítulo da série apresenta quatro campanhas distintas. “Resident Evil 6” é o culminar de uma direção radical da série, que havia sido assumida no capítulo anterior. Os momentos de tensão e suspense caraterísticos dos primeiros jogos foram praticamente extintos, dando origem a inúmeras mecânicas de ação, tornando-o no mais explosivo de sempre.

Para este novo capítulo houve uma aposta numa narrativa épica, centrada em perspetivas distintas dos protagonistas e divididas em campanhas que se interligam.

Cada campanha corresponde a um estilo ligeiramente diferente das restantes, tentando aproximar-se a cada episódio da série. A primeira, e a mais semelhante às suas raízes, centra-se em Leon S. Kennedy, enquanto a segunda, com Redfield e Piers Nivans, se aproxima do conceito de “RE5”, mas com elementos de ação. A terceira narrativa traz Jake Muller, um mercenário, filho do eterno antagonista da série, Albert Wesker, e acompanhado por Sherry Birkin. Nesta campanha a ação é mais física, com Jake a fazer uso dos seus golpes de luta corpo a corpo. Este arco narrativo homenageia o terceiro capítulo da saga, com a dupla de personagens a ser perseguida por uma criatura quase invencível, tal como o terrível Nemesis. Por fim, e como uma espécie de bónus, terão acesso a Ada Wong, numa campanha exclusiva a solo, e mais focada na ação furtiva e em puzzles.

Ainda que todas as campanhas tenham elementos próprios, todas elas estão recheadas de momentos bombásticos, confrontos com bosses, perseguições a alta velocidade, entre outros. Um dos pontos mais controversos da série era a impossibilidade de as personagens se movimentarem enquanto apontavam e disparavam as armas. “RE6” não só introduz esta mecânica básica nos jogos de ação na terceira pessoa, como oferece um sistema de cobertura, ainda que este não seja dos melhores modelos no género.

É possível fazer alguns golpes e finalizações especiais, bastando estar atento ao ícone no ecrã quando próximos dos inimigos. Além disso, aplicar ataques poderosos corpo a corpo é uma forma eficaz de nos livrarmos dos zombies. Por fim, podemos disparar um tiro mortal, premindo em simultâneo o botão de apontar e de fogo. Estas ações são geridas por uma barra de cansaço, que uma vez gasta torna a personagem mais vulnerável aos inimigos, com movimentos cambaleantes.

Todas as mecânicas novas seriam, talvez, injustificáveis no confronto com os típicos inimigos da série. Como já é sabido, a Capcom apresenta uma nova estirpe de vírus, que serve de mote à trama deste episódio. Este gera aberrações denominadas J’avo, um tipo de zombies capaz de se transformar e adaptar às circunstâncias. Uns apresentam uma fisionomia humana e inteligente, enquanto outros são puras aberrações, que uma vez derrotadas, transformam o seu corpo num casulo, dando origem a um monstro ainda mais aterrorizante. Por outro lado, estes zombies têm capacidades regenerativas e dos seus membros amputados podem surgir tentáculos; ou corpos que, uma vez cortados ao meio, se transformam em duas criaturas distintas.

Para além das campanhas, que podem ser jogadas em modo cooperativo online ou em ecrã dividido, o jogo apresenta modos multijogador competitivos. O Agent Hunt é um curioso formato onde outros jogadores podem assumir o papel dos zombies. O Mercenaries regressa, colocando-nos em cenários inspirados na narrativa, com o objetivo de eliminar vagas sucessivas de zombies.
Ainda que “RE6” tenha problemas, é um jogo intenso, com um ritmo frenético e uma narrativa interessante, cheia de conspirações, como a série nos habituou. É um dos grandes títulos de ação do ano, pela diversidade de mecânicas de jogo e uma excelente longevidade.

Sobre o autor do texto

Rui Parreira trabalha na BGamer, a revista de videojogos líder do mercado. Todos os meses, apresenta dezenas de análises, antevisões, artigos especiais, passatempos de sonho e muitas outras novidades e surpresas – incluindo jogos de oferta. Sabe mais em www.bgamer.pt ou numa banca perto de ti.

[Foto: BGamer]

Partilhar

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here

*