À prova de crise

0
809

Bastava a proximidade dos barcos moliceiros, meia dúzia de ovos moles ou a deslumbrante vista proporcionada pela Ria de Aveiro, para esta ser uma academia atrativa para novos alunos. No entanto, a Universidade de Aveiro (UA) tem muito mais do que riqueza hisrórico-cultural para oferecer aos seus estudantes…

Nomeadamente no que refere a Pós-Graduações, como nos conta, em entrevista, o Vice-Reitor da academia aveirense Eduardo Ferreira da Silva, com os contributos da Pró-Reitora Gillian Owen Moreira.

A nível de Pós-Graduações, quais são as principais ofertas da Universidade de Aveiro?

O ensino pós-graduado existe na Universidade de Aveiro (UA) desde os anos 80 e tem vindo a assumir uma importância crescente, quer no número de alunos que a ele acede, quer no número de cursos criados.
A nível do 2º Ciclo (Mestrados), a UA oferece um leque significativo de cursos, em variadas áreas do conhecimento, para os quais se tem verificado uma procura elevada, quer por alunos que concluem uma Licenciatura e prosseguem estudos na mesma área científica, quer por alunos que optam por uma área diversa da de formação inicial, que vão desde a Administração e Gestão Pública; a Bioquímica; a Ciência Política; a Comunicação e Multimédia; passando ainda pelo Design; a Engenharia Mecânica; o Ensino de Música; o Marketing; ou a Psicologia Forense, para citar apenas alguns exemplos.
A nível do 3º Ciclo (Doutoramentos) têm mais procura os programas doutorais em áreas como Ciências e Engenharia do Ambiente; Ciências e Tecnologias da Saúde; Gestão e Engenharia Industrial; Educação; Estudos Culturais; Gerontologia e Geriatria; Multimédia e Educação; Telecomunicações ou Turismo, entre outros. A UA encontra-se a redimensionar a oferta dos 2ºs Ciclos, atendendo à sua dimensão global, qualidade científica e adequação às necessidades da sociedade. Recentemente foram acreditados sete novos ciclos de estudo pós-graduado na UA, entre Mestrados e Programas Doutorais.
A UA privilegia as Pós-Graduações oferecidas em colaboração com outras instituições de Ensino Superior de renome, quer nacionais quer internacionais, preferencialmente inseridos em programas internacionais, como é exemplo o Programa Doutoral em Ciências do Mar – Erasmus Mundus; o Programa Doutoral em Ciência e Tecnologia Alimentar e Nutrição (Universidade de Aveiro + Universidade do Minho + Universidade Católica Portuguesa); o Programa Doutoral em Ciências, Tecnologia e Gestão do Mar (Universidade de Aveiro + Universidade do Minho + Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro); ou o Programa Doutoral em História das Ciências e Educação Científica (Universidade de Coimbra + Universidade de Aveiro). A Escola Doutoral, uma grande aposta na interligação da investigação e do ensino, tem como objetivos fomentar uma maior cooperação com empresas, qualificar assim de modo superior a própria investigação e tornar a UA mais atrativa para mais e melhores alunos estrangeiros.

Aveiro1
“A UA privilegia as Pós-Graduações oferecidas em colaboração com outras instituições de Ensino Superior de renome”.

Estas novas apostas na oferta formativa vêm, assim, juntar-se a outras mais-valias que a academia aveirense já possuía…

A UA é uma instituição atrativa, nacional e internacionalmente, o que é um fator importante para captar novos alunos. Neste particular, a proximidade existente entre estudantes e professores, a qualidade de ensino-investigação, que se reflete nos indicadores nacionais e estrangeiros, o campus e a sua arquitetura, são, reconhecidamente, fatores distintivos desta Universidade e que contribuem para um elevado graus de satisfação dos estudantes.

Voltando às Pós-Graduações… Quais são as mais-valias de estudar para além da Licenciatura?

A Pós-Graduação é importante para o desenvolvimento pessoal e a atualização/progressão profissional; é também essencial para o crescimento económico e o desenvolvimento social. A Educação e Formação ao longo da vida, em cursos conducentes a grau académico ou a uma especialização, são a forma mais segura de construir um futuro melhor a nível pessoal e social.

E de que forma devem as universidades estar atentas quanto à melhor forma de ajustarem a sua oferta aos candidatos?

A UA adotou o sistema de Bolonha, tendo tido a preocupação de, no decorrer do processo de reorganização, assegurar a atualização e adequação dos cursos e das unidades curriculares a uma sociedade em constante mudança, e aos desafios da Tecnologia e da Ciência, e do mercado de trabalho. Paralelamente e ao longo dos anos, tem vindo a ajustar internamente a oferta às necessidades dos candidatos, designadamente: na flexibilização da organização curricular e dos horários e na oferta de diferentes regimes de estudo (tempo parcial, frequência de disciplinas isoladas, formações a distância e pós-laboral).
Também aumentou o número de estágios em ambiente empresarial, possibilitando aos estudantes a realização do seu trabalho de Dissertação nesse contexto.
A UA funciona em rede – tem uma rede de parcerias nacionais e internacionais que permitem reforçar a ligação ao setor empresarial promovendo não só a mobilidade dos seus estudantes e docentes, mas também ser um parceiro e criador de empresas, um produtor e difusor de conhecimento e cultura e ser um agente de desenvolvimento local, regional e nacional. Por exemplo, a sua ligação à região pode ser ilustrada pela sua participação ativa na CIRA – Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro.
Por outro lado, merece referência o facto de a UA ser, em si mesmo uma rede, ao integrar o Ensino Universitário e Politécnico e oferecendo simultaneamente formações Pós-Secundária, inicial e de Pós-Graduação a públicos diversificados, o que assegura o fortalecimento da relação entre a instituição e a sociedade em que se insere.

Universidade de Aveiro
“Também aumentou o número de estágios em ambiente empresarial, possibilitando aos estudantes a realização do seu trabalho de Dissertação nesse contexto”.

Quer deixar alguma mensagem de alento a todos os nossos leitores sobre de que forma uma Pós-Graduação pode ajudar em tempos de crise?

Apesar das dificuldades enfrentadas atualmente pelas famílias, os estudantes e futuros estudantes estão conscientes de que a única forma de fazer frente à situação económica e social, de promover o crescimento e a competitividade é através da qualificação e da atualização. Sabemos que o investimento na educação e na formação avançadas trazem benefícios ao longo da vida, não só na empregabilidade, mas também na qualidade de vida e até na saúde e bem-estar.
O Relatório da OCDE sobre o Ensino Superior em Portugal evidencia essa importância “As pessoas com um curso superior em Portugal beneficiam de melhores resultados no mercado de trabalho do que aqueles com uma educação ao nível do Secundário tanto a nível de menores taxas de desemprego como de melhores salários”. Na verdade, sublinha a OCDE, “a vantagem salarial em Portugal é maior do que noutros países, se compararmos os graduados do Ensino Superior e os do Ensino Secundário. Os que tiraram um curso universitário ou um grau avançado de investigação ganham até 80% mais do que aqueles com o Secundário completo ou mesmo com cursos Pós-Secundário, mas que não se qualificam como Ensino Superior.”
Da nossa parte, fazemos os possíveis para acolher os estudantes da melhor forma e ajudá-los a concretizar as suas ambições e os seus sonhos.

[Fotos: Universidade de Aveiro]

Partilhar

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here

*