Noite dos Grammy confirma nomes grandes de 2012

0
495

Black Keys, Mumford & Sons, Gotye e Fun são alguns dos nomes que marcaram a indústria musical norte-americana em 2012 e são por isso os mais recentes vencedores dos Grammy. Entre canções, performances e álbuns do ano, estes artistas foram os mais distinguidos.

A cerimónia deu-se ontem à noite e confirmou algumas bandas como as mais badaladas dos últimos tempos. Os Black Keys, apesar dos longos anos na estrada (nasceram em 2001 e já vão em sete álbuns de originais), passaram a banda sensação depois de “El Camino”, o último registo, de 2011, que em Portugal foi grande responsável por encher o Pavilhão Atlântico, em novembro.

Nesse disco está incluído o single “Lonely Boy”, que permitiu ao duo norte-americano arrancar ontem à noite os prémios de Melhor Canção Rock e Melhor Performance Rock. “El Camino” foi o Melhor Álbum Rock.

E se no género os Black Keys não deram hipóteses, no cômputo geral acabaram por ser os britânicos Mumford & Sons a sair vencedores. Autores de “Babel”, não contavam sair com o troféu de Melhor Álbum do Ano: “pensávamos que não íamos ganhar nada, porque os Black Keys têm estado a limpar tudo, merecidamente”, contava Marcus Mumford, vocalista. No entanto, o segundo registo da banda que passa por Portugal a 23 de março (os bilhetes para o Coliseu de Lisboa já esgotaram) chegou para levar o galardão.

Gotye foi outro dos vencedores da noite, muito graças ao hiper sucesso “Somebody That I Used To Know”, que lhe valeu os prémios de Gravação do Ano e Melhor Performance Pop por Duo ou Grupo (Gotye fê-lo com Kimbra). O álbum do australiano de origem belga “Making Mirrors” foi considerado o Melhor Álbum Alternativo. Oferecido das mãos de Prince, deixou Gotye varrido pela emoção.

Os Fun, outra das bandas do momento, receberam os troféus de Melhor Artista Novo e Canção do Ano. O tema “We Are Young” não se cansou de rodar nas rádios e a isso não serão estas distinções alheias.

“Channel Orange”, do jovem Frank Ocean, foi considerado por diversos quadrantes como um dos grandes trabalhos de 2012, mas ficou ligeiramente aquém das expetativas na noite dos Grammys. Ainda assim, o Melhor Álbum R&B Contemporâneo foi para ele, que ainda arrecadou o prémio de Melhor Colaboração Rap, por aquela que fez com Jay-Z e Kanye West, em “No Church in the Wild”.

E por falar neles, e ainda que West tenha faltado à cerimónia, as distinções para Melhor Canção Rap e Melhor Performance Rap foram para ambos, por “Niggas in Paris”, do álbum que fizeram em conjunto.

Beyoncé, Drake e Skrillex foram outros dos distinguidos. Conhece-os a todos na lista que se segue.

Gravação do Ano: Somebody That I Used To Know, Gotye com Kimbra
Álbum do Ano: Babel, Mumford and Sons
Canção do Ano: We Are Young, Fun
Melhor Artista Novo: Fun

Melhor Performance Pop a Solo: Set Fire To The Rain, Adele (ao vivo)
Melhor Performance Pop por Duo ou Grupo: Somebody That I Used To Know, Gotye com Kimbra
Melhor Álbum Pop Instrumental: Impressions, Chris Botti
Melhor Álbum Pop: Stronger, Kelly Clarkson

Melhor Gravação de Dança: Bangarang, Skrillex
Melhor Álbum de Dança/Eletrónica: Bangarang, Skrillex
Melhor Álbum Pop: Kisses on the Bottom, Paul McCartney

Melhor Performance Rock: Lonely Boys, Black Keys
Melhor Performance Hard Rock/Metal: Love Bites (So Do I), Halestorm
Melhor Canção Rock: Lonely Boys, Black Keys
Melhor Álbum Rock: El Camino, Black Keys
Melhor Álbum Alternativo: Making Mirrors, Gotye

Melhor Performance R&B: Climax, Usher
Melhor Performance R&B: Love on Top, Beyoncé
Melhor Canção R&B: Adorn, Miguel
Melhor Álbum Urbano Contemporâneo: Channel Orange, Frank Ocean
Melhor Álbum R&B: Black Radio, Robert Glasper Experiment
Melhor Performance Rap: Niggas in Paris, Jay-Z e Kanye West
Melhor Colaboração Rap: No Church in the Wild, Jay-Z e Kanye West com Frank Ocean e The-Dream
Melhor Canção Rap: Niggas in Paris, Jay-Z e Kanye West
Melhor Álbum Rap: Take Care, Drake

Melhor Álbum Jazz Vocal: Radio Music Society, Esperanza Spalding
Melhor Álbum Jazz Instrumental: Unity Band, Pat Metheny Unity Band
Melhor Álbum Blues: Locked Down, Dr. John
Melhor Álbum Reggae: Rebirth, Jimmy Cliff
Melhor Álbum de World Music: The Living Room Sessions Part 1, Ravi Shankar

Melhor Embalagem: Biophilia, Björk
Produtor do Ano (Não Clássico): Dan Auerbach
Melhor Remistura: Promises (Skrillex e Nero)

[Foto: rollingout.com]

Partilhar

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here

*