O estilo pode ser a tua melhor arma

0
807

“A pipoca mais doce” existe há já nove anos, sendo atualmente o blogue mais lido em Portugal. Motivos? É fresco, cómico, fashion, útil e conta com o inigualável estilo da sua autora Ana Garcia Martins, que traz agora mais uma novidade editorial prestes a revolucionar a maneira de vestir de todas as mulheres e cujo título nos remete imediatamente para a série dos anos 80 protagonizada pela escritora Jessica Fletcher (Angela Lansbury)… Mas em “Estilo, disse ela” não se esperam assassinatos nem crimes e muito menos a ‘tortura’ de escolher a roupa adequada todos os dias, até porque o objetivo do livro é descomplicar e falar do estilo duma forma divertida, refere a autora em entrevista.

 

Como é ser a autora do blogue mais lido do país? Pensa mais no que vai escrever agora ou nem por isso?

Criei o blogue há quase nove anos, acompanhou várias fases da minha vida e penso que é normal que vá mudando de opinião em relação a alguns assuntos. A crescente exposição do blogue obrigou-me a ser um pouco mais contida na escolha dos assuntos e na forma de os abordar, mas penso que o blog mantém a sua essência.

Já foi nomeada a mulher mais invejada de Portugal. Isso faz-lhe subir os níveis de autoestima quando se vê ao espelho?

Não. A autoestima continua com níveis normais.

Tem, decerto, muitas leituras que lhe escrevem diariamente. Quais são as coisas mais estranhas que lhe costumam perguntar ou sobre as quais pedem conselhos?

Essencialmente, pedem conselhos de estilo. É frequente receber mails em que as leitoras me pedem ajuda sobre o que vestir num casamento, ou sobre a cor de cabelo, ou sobre acessórios. Mas também há quem peça conselhos profissionais, amorosos, de viagens ou de restaurantes.

E leitores homens, vai havendo? E perguntam o quê?

Geralmente o grande dilema dos homens é saber o que oferecer às mulheres e namoradas. Geralmente dizem-me que a namorada viu qualquer coisa no blog que adorou e querem saber onde podem comprar igual.

“Estilo, disse ela” é uma espécie de policial em busca de todas as mulheres que assassinam o seu estilo, às vezes por preguiça de ler mais sobre o que favorece mais ao seu tipo de corpo, por exemplo? O que podem esperar todas as pessoas que comprarem o livro?

O título foi, de facto, inspirado na série policial “Crime, disse ela”, que eu via no final dos longínquos anos 80. Peguei no título e fiz uma brincadeira com isso. Acho que todas as mulheres têm uma palavra a dizer sobre estilo, por isso pareceu-me um nome acertado. Quis que este fosse um livro eclético e descomplicado, que falasse de estilo de uma forma divertida e acessível, para que as mulheres percebam que a roupa não tem de ser uma tortura diária. Se soubermos o que nos assenta bem, as cores mais indicadas para nós, o nosso estilo pessoal, o que nos favorece os pontos positivos e o que atenua os nossos pontos mais fracos, a tarefa de saber o que vestir torna-se muito mais fácil.

A sua vida está cheia de atividades diferentes: do jornalismo ao blogue, passando pelas rubricas televisivas com dicas de moda, os livros, os vernizes, a Bazaar Chiado…. Além de todos os pares de Laboutin do universo, o que é que poderia fazer ainda muito feliz nesta vida?

Não penso muito nisso. As coisas vão acontecendo de forma natural, e eu vou aproveitando, fazendo uma triagem natural daquilo que me interessa e não interessa. Essencialmente, quero continuar ligada à escrita e à moda. Mas mais dois ou três pares de Louboutins são sempre bem-vindos!

Acha que os jovens se andam a vestir melhor ou pior do que os pais desses mesmos jovens, assim duma maneira geral?

Muito melhor, sem dúvida. As novas gerações estão muito mais atentas à moda, sabem tudo o que se passa, acompanham e lançam tendências. Atualmente, temos tanta informação à disposição que é impossível não estar mais por dentro do assunto. E isso reflete-se, obviamente, na forma como nos vestimos. Aos poucos, os portugueses vão começando a arriscar mais e a sair da sua zona de conforto.

O que pensa d’“Pipoca mais AZEDA”?

Pelo nome imagino que isso seja mais um hate blogue. Há tantos que torna-se difícil acompanhá-los.

[Foto: Carlos RamosMatéria-Prima Edições]

Partilhar

Comente este artigo

Please enter your comment!
Please enter your name here

*